ARTIGOS

Quais suplementos as pessoas vivendo com HIV precisam suplementar?

Por Dr. Richard Portier

em 22 de agosto de 2022.

Eu recebo muitas dúvidas relacionadas a suplementação em pessoas vivendo com HIV. 

“Dr, whey protein faz mal?” 

“Dr, meu médico não deixa eu usar creatina!”

“Toda pessoa vivendo com HIV necessita usar suplementação?”

Já respondendo essa última pergunta – não, nem todas as pessoas vivendo com HIV necessitam de suplementação.

Cada suplemento possui uma indicação específica, com um objetivo específico. 

Se você quer suplementar, por suplementar, ou porque viu na internet que tal suplemento é bom, já te adianto que você vai jogar dinheiro fora. Hoje, no Brasil, todos os suplementos estão caros. Eu não gosto de queimar dinheiro, e você?

Neste artigo nós vamos ver os 5 principais suplementos que prescrevo para os meus pacientes vivendo com pessoas vivendo com HIV.

Óbvio que existem situações específicas em que a suplementação será contraindicada, mas para a pessoa vivendo com HIV com carga viral indetectável, contagem de linfócitos CD4 estáveis e sem outras doenças crônicas, utilizar os suplementos sugeridos neste artigo são extremamente seguros. Não causam sobrecarga nos órgãos (rins e fígados são as maiores preocupações), nem cortam os efeitos dos antirretrovirais.

 

Creatina

Dentre todos os suplementos, a creatina é a mais importante. Por que? É o suplemento mais estudado na medicina e é o que mais possui evidências científicas no ganho de força e massa muscular.

Porém existem diversos mitos relacionados à segurança da creatina, principalmente relacionados ao rim. 

Primeiro você precisa entender que a creatina é produzida pelo nosso corpo a partir de aminoácidos e é encontrada principalmente nas nossas células musculares. Porém, cerca de 95% da creatina do seu corpo é armazenada na forma de fosfocreatina. 

Essa fosfocreatina, dentro da célula, será transformada em ATP, que é a molécula de energia utilizada pelas nossas células musculares. Quanto mais energia você precisa, mais ATP será produzido a partir da creatina. 

Mas é aqui que acontece a confusão: quando nosso corpo transforma a fosfocreatina em ATP, o resultado dessa conversão é a creatinina. Creatinina que é o exame que utilizamos para detectar problemas renais.

Resumindo: uma pessoa que suplementa creatina pode aumentar seus níveis de creatinina, mas isso não quer dizer que possui um problema renal. Significa que houve um acúmulo de creatinina devido ao aumento da transformação de fosfocreatina em ATP.

Em um estudo com pessoas vivendo com HIV que suplementaram creatina, quatro delas apresentaram aumento de creatinina. Quando o suplemento foi suspenso, seus níveis de creatinina voltaram ao normal após algumas semanas. Ou seja, o aumento de creatinina não foi por lesão renal, mas sim por uma conversão excessiva em creatinina.

A International Society of Sports Nutrition também fez uma parecer demonstrando a segurança da suplementação.

Existem diversos tipos de creatina no mercado. Veja 5 dicas para comprar a creatina certa:

– Se você não está realizando exercício físico de força, nem adianta suplementar. A creatina é uma fonte de energia para os seus músculos. Se você é sedentário, e não faz força, seu músculo não precisa de mais energia. 

– Sempre avise o seu médico que está suplementando a creatina. Como explicado, o uso da creatina pode aumentar o valor da creatinina no exame de sangue, causando confusão.

– Comece com uma dose de 2 gramas e aumente, conforme necessidade e o seu exame de creatinina. Use no máximo 5 gramas por dia.

– Não existe um horário certo para tomar a creatina, já que ela é cumulativa. 

– De preferência a creatina monoidratada e micronizada, pois tem uma absorção melhor no intestino.

Marcas que eu indico: Max Titanium, Probiótica, Growth, Integral Médica.

Whey protein

O whey protein é um suplemento importante pois é uma excelente fonte de proteínas, a matéria-prima para ganhar massa muscular.

Whey protein nada mais é do que a proteína do soro do leite concentrada. É uma proteína de alta qualidade, rica em aminoácidos essenciais, principalmente BCAA, e é de alta absorção.

Mas para um bom aproveito, escolher um dos 3 tipos é fundamental:

– Concentrado: cerca de 80% de proteína; contém lactose e gordura; é rico em nutrientes por ser menos processado, porém é mais calórico.

– Isolada: 90% de proteína ou mais; contém menos lactose e gordura; menos calórico.

– Hidrolisado: foi pré-digerido para que seja absorvido mais rapidamente; altamente processado, menos calórico.

Em uma estratégia de perda de gordura corporal, quando o déficit calórico é necessário, o whey mais interessante será isolado ou hidrolisado. 

Em uma estratégia de ganho de massa muscular, quando o superávit calórico é necessário, você pode utilizar qualquer um deles.⠀

Geralmente uma dose de whey possui entre 20 a 30 gramas de proteína. Então, por exemplo, você precisa de 120 gramas de proteínas por dia, uma dose de whey corresponderá a 25 gramas dessas 120. O restante será preenchido por outras fontes de proteínas, como carne, frango e ovos.

Se você é vegano, o suplemento de proteína vegetal pode substituir o whey protein.

Marcas que eu indico: Max Titanium, Probiótica, Growth, Integral Médica.

Ômega-3

O ômega-3 é um suplemento importante para você que está com os triglicerídeos alto. Chamamos isso de hipertrigliceridemia. Duas metanálise (aqui e aqui)  demonstraram queda dos valores de triglicerídeos com a suplementação de ômega-3 em pessoas vivendo com HIV.

Mas o que você precisa saber é que dentro do ômega-3 destacam-se dois ácidos graxos: o ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido docosa-hexaenoico (DHA). Encontramos ambos na natureza em peixes gordurosos, como o atum, a sardinha e o salmão. Porém não na quantidade terapêutica. Por isso é necessário suplementar para baixar os níveis de triglicerídeos.

No entanto, existem centenas de produtos disponíveis no mercado. Nem todos eles possuem a quantidade certa de EPA e DHA, e muitos são de baixa qualidade. Por isso veja as dicas abaixo para comprar o ômega-3 certo.

– Sempre veja o rótulo para verificar os tipos de ácidos graxos ômega-3 disponíveis no produto. Muitos suplementos contêm pouco ou nenhum EPA e DHA. Certifique-se que o produto contenha-os. Compre aquele que contém aproximadamente 1g de EPA e 1g de DHA.

– Na embalagem do produto pode estar escrito dessa forma “Contém 1.000 mg de óleo de peixe por cápsula”. No entanto, no verso, você pode encontrar uma quantidade insuficiente de EPA e o DHA, como por exemplo, apenas 160 mg de cada. Fuja desse.

– Compre produtos que possuem padrão de pureza ou um selo de autenticidade. Estes são seguros e de qualidade.

– Os ômega-3 tendem a ficar rançosos. Quando estragam, cheiram mal e se tornam menos potentes ou mesmo prejudiciais. Sempre verifique a data de validade e cheire o produto.

– Tente comprar produtos certificados com selos de sustentabilidade. Peixes pequenos com expectativa de vida curta tendem a ser mais sustentáveis.

– Se você é vegano, existem produtos no qual a fonte de ômega-3 vem de algas marinhas. Procure-os. 

– Utilize sempre junto com uma boa refeição.

Marcas que eu indico: Vitafor, Pura Vida e Now.

Vitamina D

Eu considero a suplementação de vitamina D quase como um tratamento para as pessoas vivendo com HIV. Por que? Uma metánalise demonstrou que 70 a 85% das pessoas vivendo com HIV estão com deficiência ou insuficiência de vitamina D.

Como a vitamina D age como um hormônio no nosso corpo, quando estamos com níveis baixos, é como se estivéssemos com baixos níveis hormonais. Tratar essa deficiência é muito importante.

A vitamina D é produzida dentro do nosso corpo a partir da exposição à luz solar – entre 20 a 30 minutos de exposição sem protetor solar, todos os dias, é o suficiente para manter níveis adequados. Além disso, conseguimos vitamina D através dos alimentos como carnes, peixes, frutos do mar, laticínios, alguns queijos, vegetais, manteiga e ovo.

Porém poucas pessoas vivendo com HIV se expõem ao sol o suficiente para manter bons níveis. E nos alimentos a quantidade é muito baixa. Isso explica a alta prevalência de deficiência ou insuficiência de vitamina D.

Mas antes de suplementar é necessário realizar o diagnóstico de deficiência ou insuficiência de vitamina D através do exame de sangue 25-hidroxivitamina D. Consideramos níveis deficientes quando estão abaixo de 20 ng/mL; insuficiente quando estão entre 20 e 30 ng/mL; suficientes quando estão entre 30 e 100 ng/mL. Acima de 100 ng/mL consideramos intoxicação e existe o risco de efeitos colaterais com a suplementação.

O objetivo de suplementar vitamina D é deixar em níveis suficientes. Por isso você só irá realizar a suplementação se seus níveis estão deficientes ou insuficientes. Então não suplemente sem realizar o exame antes. Você pode estar com níveis suficientes e irá jogar o seu dinheiro fora.

A dose pode variar de 400 UI até 14000 UI por dia, dependendo do exame e da resposta individual. Uma revisão sistemática demonstrou que doses de 4000 a 7000 UI por dia são as que mais trazem benefícios, e cerca de 80% das pessoas ficam com níveis suficientes com um ano de suplementação.

Marcas que eu indico: Oficial Farma, Pura Vida e Now.

Vitamina E

A vitamina E é um dos poucos suplementos na medicina que estão em protocolos de tratamento medicamentoso. Utilizamos para o tratamento da esteatose hepática, conhecida popularmente como gordura no fígado. 

Um estudo realizado com pessoas vivendo com HIV com esteatose hepática demonstrou que a suplementação de 800 UI de vitamina E diminuiu a gordura do fígado dos participantes. No início do estudo, nenhuma pessoa estava sem gordura no fígado e 67% apresentavam grau 3, o mais grave. Após 48 semanas de suplementação, 22% estavam sem esteatose hepática, enquanto 40% com grau 3.

Então suplemente a vitamina E apenas se você estiver com esteatose hepática.

Marcas que eu indico: Oficial Farma e Now.

Não jogue seu dinheiro fora com suplementos que você não precisa

Dos que eu mais recebo dúvidas no Instagram, não indico o uso de multivitamínicos, colágeno, glutamina, caseína, albúmina, BCAA e hipercalóricos. 

Também não indico fitoterápicos, como tribulus terrestris, maca peruana, cúrcuma, gengibre, etc. Uso apenas para situações muito específicas.

Os únicos que apresentam um pouco mais de evidências científicas e podem ser usados são a cafeína, a beta-alanina, o HMB e o pó de beterraba. 

Por isso vou repetir e deixar como mensagem final deste artigo: não use suplementos porque estão na moda ou porque você viu alguém na internet dizendo que é bom. Use com sabedoria. 

Invista seu dinheiro nos suplementos com mais evidência científica, em uma boa dieta com comida de verdade e na mensalidade da academia. Isso é o que vai trazer resultado para o seu físico e sua saúde.

infectologista curitiba

Dr. Richard Portier

Graduado pela Universidade Positivo, é Médico Infectologista graduado pelo Programa de Residência Médica em Infectologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, Membro da Sociedade Brasileira de Infectologia e Membro da Internacional AIDS Society.

Com grande experiência na saúde das pessoas que vivem com HIV, fez estágio no Instituto de Infectologia Emílio Ribas e trabalhou na Unidade de Internamento de Infectologia e no Ambulatório de HIV/AIDS do Hospital de Clínicas – UFPR. Hoje possui um consultório privado em Curitiba onde realiza consultas online para todo o Brasil.

Sua missão é melhorar o físico, a saúde e a confiança das pessoas vivendo com HIV. 

Médico Infectologista

CRMPR 32.357

RQE 23.586

Nenhuma informação desta página e dos nossos produtos substitui uma consulta presencial com seu médico. Jamais faça nenhuma mudança no seu tratamento sem antes consultar seu médico ou profissional de saúde. É só ele quem poderá avaliar de perto a sua situação atual e decidir se você está apto ou não à essas alterações. Portanto, é imprescindível que você tenha acompanhamento médico para sua segurança. Se tiver qualquer dúvida, envie um email para richard@richardportier.com que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

© 2022 Richard Portier. CNPJ 31.671.711/0001-11. Todos os direitos reservados. Termos de uso.