ARTIGOS

19 principais dúvidas sobre a transmissão do HIV

Por Dr. Richard Portier

em 8 de agosto de 2020.

JUNTA-SE A MAIS DE 10.000 PESSOAS

Entre para o nossa lista e receba dicas e conteúdos com exclusividade

Existem vários mitos sobre a transmissão do HIV. E falsas informações aumentam o preconceito em relação às pessoas vivendo com o vírus. 

Neste artigo estão as principais dúvidas sobre esse tema…

Como o HIV é transmitido de uma pessoa para outra?

Os principais formas para contrair ou transmitir o HIV são: 

  1. Relação sexual.
  2. Compartilhar agulhas ou outros materiais ao injetar drogas.
  3. Vertical (através de mãe para filho durante a gestação, parto ou amamentação). 

Apenas certas secreções corporais de uma pessoa vivendo com o HIV podem transmitir o vírus, como: 

  1. Sangue.
  2. Sêmen.
  3. Líquido pré-ejaculatório.
  4. Secreções retais.
  5. Secreções vaginais.
  6. Leite materno. 

Mas como ocorre? Durante a relação sexual uma dessas secreções infectada com o vírus entra em contato com uma membrana mucosa, como por exemplo, o reto, a vagina, o pênis e a boca ou um tecido danificado, como por exemplo, um pequeno corte na região genital. Também pode ser diretamente injetado na corrente sanguínea através de uma agulha, como no uso de drogas injetáveis. 

Também existem outras formas de transmissão que na teoria podem ocorre, porém são extremamente raras: 

  1. Transfusão sanguínea: o risco de receber transfusões de sangue e derivados ou através do transplantes de órgãos é extremamente pequeno por causa dos testes rigorosos realizados antes desses procedimentos e das normas de biossegurança amplamente realizados no Brasil.
  2. Alimentos: a contaminação ocorre quando o sangue infectado da boca de um cuidador se mistura com alimentos durante a mastigação. Os únicos casos conhecidos estão entre crianças.
  3. Ser mordido por uma pessoa com HIV: poucos casos documentados. Não há risco de transmissão se a pele estiver intacta.
  4. Beijos: se ambos os parceiros tiverem feridas ou sangramentos gengivais. O HIV não é transmitido através da saliva.
  5. Tatuagem ou materiais de manicure: é possível a transmissão através materiais reutilizados ou mal esterilizados.

O HIV sobrevive fora do corpo?

O HIV não se multiplica e não sobrevive durante muito tempo fora do corpo humano (como em superfícies).

O vírus não é transmitido:

  1. Abraçar.
  2. Apertar as mãos.
  3. Compartilhar sanitários.
  4. Compartilhar pratos.
  5. Dar beijos sociais.
  6. Saliva, lágrimas ou suor sem contato com sangue.
  7. Mosquitos, carrapatos ou outros insetos sugadores de sangue.
  8. Ar.
  9. Água.

Posso contrair/transmitir o HIV através do sexo anal?

Sim, o sexo anal é comportamento sexual de maior probabilidade para contrair ou transmitir o HIV.

A probabilidade de transmissão é maior através do sexo anal receptivo (passivo) do que o insertivo (ativo). Isso ocorre pois a mucosa retal é fina e chance de trauma local é grande.

No insertivo, o vírus pode entrar através da uretra ou de pequenos cortes, arranhões ou feridas abertas em qualquer parte do pênis. 

Posso contrair/transmitir o HIV através do sexo vaginal?

Sim, tanto a mulher quanto o homem podem contrair ou transmitir o HIV através do sexo vaginal, embora a probabilidade seja menor comparado ao sexo anal.

Quando uma mulher faz sexo vaginal com um parceiro que vive com o HIV, o vírus pode entrar em seu corpo através da membrana mucosa que reveste a vagina e o colo do útero. 

Os homens também podem contraí-lo ao fazer sexo vaginal com uma mulher que vive com HIV. Isso ocorre pois o vírus pode entrar através da uretra ou de pequenos cortes, arranhões ou feridas abertas em qualquer parte do pênis e da região do saco escrotal. 

Posso contrair/transmitir o HIV através do sexo oral?

Sim, porém a probabilidade é baixa.

Fatores que aumentam o risco de transmissão do vírus através do sexo oral são a ejaculação na boca com úlceras orais ou sangramento gengival, ou se o órgão genital apresentar úlceras e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

O risco de contrair/transmitir o HIV é diferente entre as pessoas?

O CDC (Center of Disease Control and Prevention) e a US Preventive Services Task Force recomendam que todas as pessoas com idades entre 13 e 64 anos sejam testadas para o HIV pelo menos uma vez na vida. Hoje cerca de uma em cada sete pessoas nos Estados Unidos não sabe que vive com o vírus. No Brasil são aproximadamente 135 mil pessoas.

Se você responder sim a qualquer uma das seguintes questões, você deve fazer o teste de HIV o mais rápido possível e, no mínimo, uma vez ao ano, pois é considerada população chave para o exame:

  1. Você é um homem que fez sexo com outro homem?
  2. Você fez sexo anal ou vaginal com um parceiro (a) que vive com o HIV?
  3. Você já teve mais de um parceiro (a) sexual desde o seu último teste de HIV?
  4. Você injetou drogas?
  5. Você trocou sexo por drogas ou dinheiro?
  6. Você foi diagnosticado ou procurou tratamento para outra infecção sexualmente transmissível?
  7. Você foi diagnosticado ou tratado para hepatite ou tuberculose?
  8. Você teve relações sexuais com alguém que poderia responder a qualquer uma das perguntas acima ou alguém cuja história sexual você não conhece?

Homens que fazem sexo com outros homens podem se beneficiar com testes mais frequentes (por exemplo, a cada 3 a 6 meses). 

Se você está grávida, fale com o seu médico sobre realizar o teste. Ele faz parte da rotina de pré-natal.

Antes de fazer sexo com um novo parceiro (a), vocês devem falar sobre o histórico sexual e de drogas. Na dúvida, use preservativos.

Realizar o teste para HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis é importante para se proteger, e também proteger as outras pessoas.

Mulheres que fazem sexo com mulheres estão em risco de contrair/transmitir o HIV?

A transmissão do HIV entre mulheres é rara. Porém pode ocorrer em no contato com secreções corporais ou sangue menstrual infectados com o vírus. 

Existe uma conexão entre o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs)?

Sim, ter outra IST aumenta o risco de contrair ou transmitir o HIV.

Se você é HIV negativo, mas tem uma IST, a chance de contrair o vírus em uma relação sexual sem preservativo é três vezes maior. E por que isso ocorre? Pois a infecção aguda causa irritação, lesões ou feridas na pele (por exemplo, sífilis, herpes simples ou HPV) que facilitam a entrada do HIV no corpo durante o contato sexual. Mesmo ISTs que não causam lesões abertas (por exemplo, clamídia, gonorréia, tricomoníase) também possuem um risco aumentado. 

Se você vive com HIV e também tem outra IST, também tem cerca de 3 vezes mais chance de transmiti-lo através do contato sexual. Isso ocorre pois há vírus nas lesões, no sêmen ou em outras secreções genitais.

Como a carga viral do HIV afeta a probabilidade de contrair/transmitir o vírus?

A Sociedade Brasileira de Infectologia e o Ministério da Saúde publicaram em 2018 e 2019, respectivamente, dois pareceres técnicos intitulados “Indetectável = Intransmissível”. Mas o que isso significa?

Foram realizados dois grandes estudos, chamados HPTN 0528 e PARTNER. Estas pesquisas mostraram que, quando pessoas vivendo com o HIV mantém suas cargas virais indetectáveis por, pelo menos, seis meses e usam de maneira contínua suas medicação, realizam o acompanhamento médico regular e fazem os exames laboratoriais solicitados pelo médico, ao fazerem sexo com pessoas HIV negativas, não ocorre transmissão do vírus.

O estudo HPTN 052 acompanhou 1.763 casais heterossexuais – um parceiro era HIV positivo e o outro HIV negativo – em nove países. Esses casais praticavam principalmente sexo vaginal. Nenhuma transmissão do vírus ocorreu entre os parceiros quando a pessoa que vive com HIV estava em tratamento e tinha uma carga viral indetectável.

Já o estudo PARTNER acompanhou 888 casais de 14 países europeus. Ele incluiu casais homossexuais e heterossexuais que mantinham relações sexuais desprotegidas. Todas as pessoas vivendo com HIV estavam em tratamento e tinham carga viral indetectável. Assim como o estudo anterior, nenhuma transmissão ocorreu.

Embora um pequeno número de pessoas tenha contraído o vírus nos dois estudos, essas infecções vieram de um parceiro sexual fora do relacionamento ou quando o parceiro (a) HIV positivo tinha uma carga viral detectável por abandono de tratamento.

O que podemos concluir: o risco de transmitir o vírus por via sexual é insignificante. Portanto, podemos dizer com segurança, que alcançar e permanecer com carga viral indetectável não é apenas a melhor escolha que as pessoas vivendo com HIV podem fazer para manter a sua saúde, mas também a melhor maneira de não o transmitir o vírus através do sexo.

Para isso é necessário manter a adesão ao tratamento perfeita, avaliar regularmente a carga viral e comparecer às consultas médicas regularmente.

Posso contrair/transmitir o HIV injetando drogas?

Sim, seu risco de contrair ou transmitir o HIV é muito alto se você compartilhar agulhas ou outros materiais (como algodão ou água) para injetar drogas. Isso ocorre pois sangue pode transmitir o vírus, a hepatite B e a hepatite C. 

Posso contrair/transmitir o HIV usando outras drogas?

Quando você está bêbado ou sobre o efeito de outras drogas como o crack, maconha, cocaína, ecstasy e LSD, aumentam a sua chances de tomar decisões ruins que o colocam em maior probabildiade de contrair ou transmitir o vírus, como fazer sexo sem preservativo ou compartilhar agulhas ao injetar drogas.

Já estou vivendo com o vírus, posso contrair outro tipo de HIV?

Sim, a superinfecção pelo HIV ocorre quando uma pessoa vivendo com o vírus é infectada por outra cepa. Essa nova cepa substitui ou permanece junto com a original. 

Mas por isso ocorre? O novo vírus pode ser resistente às medicações que você toma, por isso ele consegue se multiplicar, deixando sua carga viral detectável.

Profissionais de saúde estão em risco de contrair/transmitir o HIV?

O risco é extremamente baixo se você utilizar os equipamentos de proteção individual. 

A transmissão pode ocorrer se você sofrer um acidente com um objeto perfurocortante contaminado com o vírus. Porém a chance de contrair é inferior a 1%.

É possível contrair/transmitir o HIV em ambientes de saúde, como em um hospital?

Embora a transmissão do HIV seja possível em ambientes de saúde, é extremamente raro.

Exija que o profissional de saúde utilize equipamentos de proteção individual, como luvas, ao coletar sangue ou outra secreção corporal. 

O risco de contrair o vírus através de transfusões de sangue e derivados ou transplantes de órgãos é extremamente pequeno no Brasil, pois as leis de biossegurança são rigorosas. Porém fique atento em outros países.

Posso contrair/transmitir o HIV a partir do contato casual como beijos sociais e abraços ou através de vasos sanitários e utensílios de cozinha ou espirro e tosse?

Não, o vírus não é transmitido:

  1. Abraçar.
  2. Apertar as mãos.
  3. Compartilhar sanitários.
  4. Compartilhar pratos.
  5. Dar beijos sociais.
  6. Saliva, lágrimas ou suor sem contato com sangue.
  7. Mosquitos, carrapatos ou outros insetos sugadores de sangue.
  8. Ar.
  9. Água.

Posso contrair/transmitir o HIV através de tatuagem ou piercing?

Apesar de extremamente raro, é possível contrair ou transmitir o HIV através de uma agulha ou outro material mal esterilizado.

Certifique-se que a pessoa que está fazendo o procedimento esteja devidamente licenciada e que use apenas agulhas, tintas e outros equipamentos novos ou esterilizados.

Posso contrair/transmitir o HIV através do cuspir ou ao arranhar?

Não, o HIV não é transmitido através da saliva, e não há risco de transmissão através de arranhadura. 

Posso contrair/transmitir o HIV através da picada de mosquito?

Não, o HIV não é transmitido através da picada de mosquitos ou outros insetos.

Posso contrair/transmitir o HIV através de alimentos?

Embora seja extremamente raro, o HIV pode ser transmitido pela ingestão de alimentos que foram pré-mastigados por alguém que vive com HIV. A contaminação ocorre quando o sangue infectado da boca de um cuidador se mistura com a comida durante a mastigação. Os únicos casos conhecidos são entre crianças.

Junte-se a mais de 10.000 pessoas

Entre para o nossa lista e receba dicas e conteúdos com exclusividade

Médico Infectologista

CRMPR 32.357

RQE 23.586

Nenhuma informação desta página e dos nossos produtos substitui uma consulta presencial com seu médico. Jamais faça nenhuma mudança no seu tratamento sem antes consultar seu médico ou profissional de saúde. É só ele quem poderá avaliar de perto a sua situação atual e decidir se você está apto ou não à essas alterações. Portanto, é imprescindível que você tenha acompanhamento médico para sua segurança. Se tiver qualquer dúvida, envie um email para richard@richardportier.com que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

© 2020 Richard Portier. Todos os direitos reservados. Termos de uso.