ARTIGOS

Descubra qual é a expectativa de vida nas pessoas vivendo com HIV

Por Dr. Richard Portier

em 18 de julho de 2020.

JUNTA-SE A MAIS DE 10.000 PESSOAS

Entre para o nossa lista e receba dicas e conteúdos com exclusividade

As pessoas vivendo com HIV (PVHIV) estão vivendo cada vez mais. Por isso você viverá tanto quanto as pessoas que não têm HIV.

Estudos recentes demostram que uma PVHIV tem uma expectativa de vida semelhante à população geral – desde que seja diagnosticada precocemente, faça o acompanhamento médico e seja aderente ao tratamento, além de ter bons hábitos de vida. 

Vários fatores podem modificar essa expectativa de vida, pois depende também de fatores individuais:

  • Acesso ao tratamento, ao atendimento médico e exames de rotina.
  • Inicio precoce do tratamento, antes da fase AIDS. Quanto mais cedo você for diagnosticado e iniciar o tratamento, melhor será sua perspectiva no longo prazo.
  • Desenvolver doenças oportunistas, principalmente antes ou no início do tratamento.
  • Bons resultados ao tratamento durante o primeiro ano. Pessoas que atingem o CD4 de 350, e mantêm a carga viral indetectável em um ano, têm melhores perspectivas de longo prazo.
  • Pessoas diagnosticadas nos últimos anos tem uma expectativa de vida maior do que as que foram diagnosticadas anteriormente, devido aos medicamentos antigos que causavam muitas toxicidades.
  • Problemas crônicas de saúde, como doenças cardíacas, pulmonares, renais, hepáticas, diabetes, obesidade e câncer.
  • Questões genéticas e epigenéticas.
  • Hábitos de vida, como alimentação, pratica de exercícios físicos, qualidade do sono e estresse.
  • Vícios, como o uso de drogas e álcool, e tabagismo. ​
  • Circunstâncias sociais e econômicas, como o local onde você cresce, sua renda, educação, classe social e assim por diante.
  • Mulheres geralmente vivem mais que os homens.

Como é calculada a expectativa de vida?

A expectativa de vida é o número médio de anos que uma pessoa pode esperar viver. Mais precisamente, é o número médio de anos que um indivíduo de uma determinada idade deve viver se as atuais taxas continuarem a se aplicar.

Por exemplo, no Brasil, a expectativa de vida dos brasileiros aumentou em 3 meses e 4 dias de 2017 para 2018, alcançando 76,3 anos. Desde 1940, já são 30,8 anos a mais que se espera que a população viva. Para as mulheres, espera-se maior longevidade: 79,9 anos. Já para os homens ficou em 72,8 anos. 

Ou seja, é uma estimativa, e nem sempre o IBGE tem acesso a todas as informações relevantes.

Já para o cálculo da expectativa de vida das PVHIV, existem estimativas de acordo com a idade das pessoas no momento do diagnóstico e da contagem de CD4, mas sem muitas informações sobre diversos outros fatores, como hábitos de vida, questões genéticas e sociais, que são individuais.

Como o HIV é uma infecção relativamente nova e o tratamento muda frequentemente, é difícil saber se o agora será semelhante ao futuro. No momento, há um grande número de PVHIV entre 20 e 70 anos. Mas temos pouca experiência com idades maiores que 70 anos, portanto sabemos menos sobre o impacto que o vírus pode ter nos idosos.

Além disso, a tendência é que a assistência médica, e a própria medicina, evoluam no futuro, com medicamentos com menos efeitos colaterais, mais fáceis de tomar e mais eficazes na supressão do vírus no longo prazo. Mas, ao meu ver, o que realmente faz diferença é a mudança nos hábitos de vida para hábitos mais saudáveis, como alimentação balanceada, prática de atividade física, sono adequado e abandono de vícios, chaves para a prevenção de doenças cardíacas, renais, pulmonares, obesidade, diabetes, câncer e outras condições não relacionadas ao HIV. Esses fatores que mudarão substancialmente a expectativa de vida das PVHIV.

Qual é a expectativa de vida das pessoas que vivem com HIV no Brasil

Infelizmente, não temos dados sobre a expectativa de vida das PVHIV no Brasil. Porém, podemos comparar com o Reino Unido, que são países ocidentais com cultura semelhante, e possuem um sistema de saúde universal gratuito e medicamentos disponibilizados gratuitamente pelo sistema.

Um estudo publicado em 2014 analisou os resultados de mais de 20.000 adultos que iniciaram o tratamento do HIV no Reino Unido entre 2000 e 2010. A análise não incluiu usuários de drogas injetáveis.

A principal descoberta foi que as pessoas que tiveram uma boa resposta inicial ao tratamento tinham uma expectativa de vida melhor do que à população em geral. Especificamente, um homem com uma contagem de células CD4 acima de 350 e uma carga viral indetectável ( considerado abaixo de 400 cópias/ml na época), um ano após o início do tratamento, poderia viver entre 81 a 83 anos, sendo que para a população geral a expectativa de vida era de 78 anos. Já uma mulher poderia viver entre 83 a 85 anos. Isso se compara aos 83 anos na população em geral.

Para pessoas que tiveram uma contagem de CD4 entre 200 e 350 e uma carga viral indetectável um ano após o início do tratamento, a expectativa de vida foi semelhante à população em geral. Entre os homens, poderiam viver entre 78 a 81 anos, e as mulheres entre 81 a 83 anos.

Para pessoas cuja resposta inicial ao tratamento não foi tão boa, a expectativa de vida foi um pouco menor. Os resultados foram semelhantes em cada um dos seguintes cenários: contagem de CD4 abaixo de 200 e carga viral indetectável; contagem de CD4 entre 200 e 350 e carga viral detectável; e contagem de CD4 acima de 350 e carga viral detectável. Homens poderiam viver entre 70 a 77 anos e mulheres entre 72 a 79 anos.

Nos homens que tiveram uma resposta inicial ruim ao tratamento – um ano depois, suas contagens de CD4 estavam abaixo de 200 e suas cargas virais foi detectáveis – esperava-se viver entre 61 a 69 anos, enquanto nas mulheres entre 64 a 71 anos.

Atualmente, no Reino Unido, poucas pessoas morrem devido à AIDS. O que é semelhante no Brasil. Nos últimos cinco anos, o número de mortes pela doença caiu 22,8%, de 12,5 mil em 2014 para 10,9 mil em 2018. Geralmente são pessoas que foram diagnosticadas muito tarde, e desenvolveram doenças oportunista graves. Em muitos desses casos, a pessoa não fez o tratamento ou fez de maneira errada ou irregular.

Resumindo

Com o tratamento, acompanhamento médico, exames de rotina e bons hábitos de vida, a maioria das PVHIV terão vidas longas, saudáveis e produtivas. Poucas pessoas morrem em decorrência da AIDS – e tem diminuído a cada ano.

As causas de doenças e morte são bastante semelhantes às da população geral, como doenças cardíacas, renais, hepáticas, diabetes, obesidade e câncer. E a maioria decorrentes de hábitos de vidas ruins.

Mudar hábitos depende de você e de uma orientação correta. Você pode aumentar sua expectativa de vida não fumando, sendo fisicamente ativo, tendo uma dieta equilibrada, mantendo um peso saudável adequado, evitando o uso excessivo de álcool ou e abandonando o uso drogas de drogas e o tabagismo. Assim, envelhecerá mais lentamente, e prevenirá inúmeras doenças crônicas.

Junte-se a mais de 10.000 pessoas

Entre para o nossa lista e receba dicas e conteúdos com exclusividade

Médico Infectologista

CRMPR 32.357

RQE 23.586

Nenhuma informação desta página e dos nossos produtos substitui uma consulta presencial com seu médico. Jamais faça nenhuma mudança no seu tratamento sem antes consultar seu médico ou profissional de saúde. É só ele quem poderá avaliar de perto a sua situação atual e decidir se você está apto ou não à essas alterações. Portanto, é imprescindível que você tenha acompanhamento médico para sua segurança. Se tiver qualquer dúvida, envie um email para richard@richardportier.com que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

© 2020 Richard Portier. Todos os direitos reservados. Termos de uso.