Herpes Simples

Por Dr. Richard Portier em 20 de janeiro de 2019

herpes

QUER RECEBER MAIS CONTEÚDOS COM EXCLUSIVIDADE?

Entre para o nossa lista e seja membro da nossa comunidade

Uma das infecções mais comuns por ser de fácil transmissão, o vírus da herpes simples permanece inativo dentro do corpo após contraí-lo. E pode reativar-se a qualquer momento. Por esse motivo, a maioria das pessoas tem vários episódios de herpes durante a vida.

“Por que essa coisa chata aparece sempre que estou estressado?”

A resposta está na pergunta.

Se você está tendo episódios frequentementes, provavelmente as lesões estão atrapalhando suas atividades diárias.

Não sofra…. existe tratamento para você.

Continue lendo esse artigo pois nele iremos abordar:

O que é herpes simples

herpes

O herpes simples é uma infecção sexualmente transmissível causada por dois tipos de vírus:

  1. Herpes simplex tipo 1 (HSV-1), que geralmente causa o herpes oral.
  2. Herpes simplex tipo 2 (HSV-2), que geralmente causa o herpes genital.

Uma em cada seis pessoas entre 14 e 49 anos tem herpes genital nos EUA.

Após contrair o vírus, ele permanece no nosso corpo na forma inativa. O estresse é o principal fator de reativação.

Transmissão da herpes simples

herpes

A transmissão do herpes oral ocorre durante a infância ou na idade adulta através do contato não sexual com a saliva. Embora mais difícil, é transmitido da boca para a região genital através do sexo oral. Por isso alguns casos de herpes genital são causados pelo HSV-1.

A transmissão do herpes genital ocorre principalmente durante o sexo vaginal, anal ou oral sem preservativo com alguém que tenha a lesão ativa.

Se você não tem herpes, pode contraí-lo ao entrar em contato com o vírus:

  1. Através do contato sexual com um parceiro (a) que tiver uma lesão ativa.
  2. Através da saliva, se o seu parceiro (a) tiver uma lesão oral ativa.
  3. Através de secreções genitais, se o seu parceiro (a) tiver uma lesão genital ativa .
  4. Através da pele na região oral, se o seu parceiro (a) tiver uma lesão ativa.
  5. Através da pele na região genital, se o seu parceiro (a) tiver uma lesão ativa.

A ferida facilita a transmissão de outras infecções sexualmente transmissíveis, como o HIV, hepatite B e hepatite C.

Como o vírus é rapidamente inativado em temperatura ambiente, não é possível contraí-lo através de assentos sanitários, roupas de cama, piscinas, talheres, sabonetes ou toalhas. Ele também não é transmitido através do ar.

Se você está em risco, procure assistência médica. Pergunte se você deve fazer os testes para outras infecções sexualmente transmissíveis. Se você é sexualmente ativo, faça os exames anualmente.

Prevenção da herpes simples

herpes

Infelizmente, o uso de preservativo não previne 100%. A ferida pode estar em uma parte do corpo onde a camisinha não cobre. Por isso todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar os exames de sangue anualmente para rastreio de infecções sexualmente transmissíveis.

Se você está em um relacionamento com uma pessoa que já teve episódio de herpes simples, você diminui suas chances de contrair se:

  1. Seu parceiro (a) fazer a terapia supressiva. Ele (a) deve conversar com o médico sobre essa opção.
  2. Evite ter sexo vaginal, anal ou oral quando seu parceiro (a) apresentar lesão ativa da infecção.

Ainda não existe vacina para herpes simples.

Herpes simples na gestação

herpes

Durante a consulta pré-natal, informe ao seu médico sobre sintomas, diagnóstico ou exposição ao herpes simples. Os testes para outras infecções sexualmente transmissíveis são muito importantes nesses casos.

A infecção pode ser transmitida para o bebê antes do nascimento, porém é mais comum durante o parto.

Se você apresenta sintomas próximo ao parto, avise seu médico. O tratamento diminui a chance de transmissão durante o nascimento.

O herpes neonatal é uma doença grave e fatal. Apresenta-se como lesões cutâneas, oculares, disseminada e encefalite.

Sinais e sintomas da herpes simples

herpes

A maioria das pessoas não apresentam sintomas.

Quando apresentam, são leves e iniciam de 1 a 26 dias após o contato, em média 8 dias.

As lesões têm aspecto de feridas, geralmente aparecem com uma ou mais bolhas em torno da região genital, retal ou boca. Essas bolhas se rompem, formando úlceras e crostas. A dor local aumenta durante os 7 primeiros dias, atingindo o pico até o 11º dia. A cura completa das lesões ocorre até o 20º dia.

A formação de cicatriz é incomum e é indicativo de outra doença.

No primeiro episódio você pode apresentar outros sintomas como:

  1. Aumento da sensibilidade local.
  2. Coceira.
  3. Queimação.
  4. Febre.
  5. Dores no corpo.
  6. Cansaço.
  7. “Ínguas”.
  8. Secreção uretral transparente.
  9. Ardência ao urinar.

Apresentar um novo episódio após a primeira infecção é muito comum. Acontece com 60 % a 90 % das pessoas. Geralmente são períodos mais curtos e menos graves do que a primeira vez, e tendem a diminuir com o tempo. É comum apresentar sintomas antes das lesões surgirem, como dor e coceira. Outros sintomas são incomuns.

Casos graves são incomuns e ocorrem no sistema nervoso, principalmente no cérebro. Ele pode causar meningite, encefalite, radiculopatia e mielite transversa. Sintomas de gravidade são:

  1. Febre.
  2. Dor de cabeça.
  3. Vômitos.
  4. Fotofobia.
  5. Confusão.
  6. Mudança comportamentais.
  7. Sonolência.
  8. Convulsões.

Iniciam de 3 a 12 dias após as lesões cutâneas. Esses sintomas indicam uma doença grave que necessita de avaliação médica urgente e tratamento imediato.

Pessoas imunossuprimidas (pessoas com HIV | AIDS, câncer, leucemia, linfoma, entre outros) podem apresentar lesões cutâneas disseminadas no corpo todo e esofagite (infecção no esôfago).

Podem ocorrer lesões também no cérvix, ânus, faringe, gengiva e olhos.

Diagnóstico da herpes simples

herpes

Seu médico pode diagnosticar o herpes simples apenas observando seus sintomas.

É possível coletar amostras das lesões e testá-las para confirmar o diagnóstico, mas não é feito de rotina.

O exame é realizado através do método de PCR, que detecta genes do vírus. Esse teste é necessário em casos graves, como na meningite.

Realize exames para outras infecções sexualmente transmissíveis. Converse com seu médico e tire suas dúvidas sobre o seu risco.

Diagnóstico diferencial da herpes simples

herpes

Os sinais e sintomas do herpes simples são parecidos aos de outras doenças, como:

  1. Herpes oral: candidíase oral, aftas, síndrome de Stevens-Johnson, herpangina, herpes zóster, escabiose e infecções bacterianas.
  2. Herpes genital: sífilis, cancróide, linfogranuloma venéreo, candidíase genital e ulcerações traumáticas.
  3. Encefalite herpética: meningite bacteriana, meningoencefalite criptocócica, meningoencefalite tuberculosa e neurotoxoplasmose.

Tratamento da herpes simples

herpes

O tratamento varia de acordo com o tipo de herpes e recorrência.

São utilizados medicamentos antivirais, principalmente o aciclovir. Outras opção é o valaciclovir.

O tratamento é importante pois diminui o tempo de sintomas e evita a transmissão para outras pessoas. Analgésicos e anti-inflamatórios são prescritos para alívio da dor.

Se você tem episódios recorrentes que atrapalham sua vida, pode se beneficiar com a terapia supressiva – utilizará um dos antivirais citados acima de forma contínua, por no mínimo 6 meses, em dose especial. Converse com seu médico sobre a melhor opção de tratamento.

Mesmo se você não tratar, a lesão desaparecerá sozinha.

Em pessoas com o sistema imunológico comprometido, as feridas genitais são mais dolorosas e podem ser graves.

Não toque nas lesões para evitar que o vírus se espalhe para outras partes do seu corpo, principalmente os olhos. Lave as mãos frequentemente. Aguarde, no mínimo, 7 dias após as lesões desaparecerem completamente para ter relações sexuais com seu parceiro (a).

A encefalite herpética é uma emergência e necessita de tratamento hospitalar com o aciclovir via endovenoso. Se você apresentar sintomas, não hesite e vá a um pronto atendimento o mais rápido possível.

Herpes simples e o Viajante

herpes

Você vai estar empolgado por estar em outro país e não há combinação melhor para conhecer novas pessoas: sol, praia e nada para se preocupar. Estima-se que um em cada cinco viajantes faz sexo com um novo parceiro durante uma viagem. Provavelmente também irá consumir álcool. Isso levará a atitudes que não teria em casa, como fazer sexo sem preservativo (seja vaginal, anal ou sexo oral) com um desconhecido. Agora você está em risco de contrair infecções sexualmente transmissíveis, entre elas o HIV, sífilis, hepatite B, hepatite C e a herpes simples. 

Também é muito comum, principalmente no Sudeste Asiático, o turismo sexual. Nestas regiões, a taxa de infecções sexualmente transmissíveis é muito alta nos profissionais do sexo, por isso a chance de contrair infecções é maior.

Não importa o seu destino, essas infecções ocorrem em todo o mundo. Planejar uma viagem segura e saudável otimizará sua experiência e você poderá se divertir e sem se preocupar com problemas de saúde. Esquecer seus preservativos em casa pode privar você de uma excelente experiência ou pior, te deixar doente.

Siga as orientações citadas acima para evitar contrair uma infecção sexualmente transmissível.

Após o retorno, procure um médico se você teve uma uma relação sexual sem preservativos, principalmente se apresentou alguns dos sintomas descritos acima. Eles podem ser similares a outras doenças, por isso é necessário uma consulta médica para que ele possa realizar os exames necessários e fazer um diagnóstico preciso.

Se você suspeita que possa ter herpes simples, clique aqui.

Anote todos os seus sintomas, quando eles iniciaram e quando você teve a exposição de risco. Anote também suas dúvidas e leve-as ao médico. Não hesite em fazer outras perguntas caso elas ocorram no momento da consulta.

O herpes simples tem tratamento, incluindo a terapia supressiva. Não mude suas atividades diárias por causa da lesão. Trate-a.

Última atualização: 20 de janeiro de 2019.

Referências: CDC e Ministério da Saúde

O que achou do conteúdo? Tem dúvidas?

Conte nos comentários. 

Quer receber mais conteúdos gratuitos e com exclusividade?

Entre na nossa lista e seja membro da nossa comunidade

Médico Infectologista

CRMPR 32.357

RQE 23.586

Este material não se destina a ser, e não deve ser considerado, um substituto da consulta médica.

© 2019 Richard Portier. Todos os direitos reservados. Termos de uso.